Poemas

Em meu próprio mundo

Me julgam em meu próprio mundo,
mesmo sem saber como ele é.

E esse é o problema!

Julgam sem me conhecer,
Mas não me importo ou finjo que não.
Me adoram, mas apontam o dedo,
Me admiram, mas não fariam.
Falam de mim, mas não se importam.

Eu bebo, canto e danço na chuva,
Eu sinto, eu quero, eu posso e eu consigo.
Já me disseram que era impossível,
Quase acreditei,
Mas sabe aquele, Talvez?!

Sonhei vivendo,
Chorei no chuveiro,
Sorri morrendo e
Me peguei escrevendo.

Julgam em meu próprio mundo,
Mesmo sem saber como ele é.

Se consigo, foi fácil
Se viajo, sou rica
Se bebo e caio, sou largada,
Mas no fim de tudo,
Me ligam na madrugada.

Te ouço, te abraço, te beijo e logo faço.
Não planejo o planejado
Aconteceu o inesperado
Nesse mundo tenho meu espaço.

Não sou melhor nem pior,
Não prego o justo nem os custos,
Pequeno ele seria,
Um ou outro caberiam 
Me julgam em meu mundo,
Seriam eles os injustos?

Francielle Cordeiro 

10 comentários em “Em meu próprio mundo”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s